domingo, 15 de janeiro de 2017

Máscara














Ah, pobre poeta...
Que esconde o sofrimento
Por entre grades de nuvens...

...
A dor se veste de colibri
Pousa no galho do riso
Experimenta mais uma vez o sonho...

Pobre melancolia...
Que mora na poesia
Sem se dar conta
Que nunca existiu...

Nem o poeta
Nem o poema
São de carne e osso,
Só o instante é palpável...

Toda a realidade
É essa máscara
Sem rosto e sem nome.


(Danniel Valente)

Nenhum comentário:

Postar um comentário